APP para ganhar online

Consultor Jurídico

tese repetitiva

Rescisão de plano de saúde coletivo não pode atingir usuário em tratamento

Por 

A operadora, mesmo após o exercício regular do direito a rescisão unilateral do plano de saúde coletivo, deverá assegurar a continuidade dos cuidados assistenciais prescritos ao usuário internado ou em pleno tratamento médico garantidor da sua sobrevivência ou de sua incolumidade física, até a efetiva alta, desde que o titular arque integralmente com a contraprestação devida.

Operadora pode extinguir contrato coletivo sem justificativa, mas devem continuar custeando caso de pessoas em tratamento

Essa foi a tese definida por unanimidade pela 2ª Seção do Superior Tribunal de Justiça, que nesta quarta-feira (22/6) julgou o tema sob o rito dos recursos repetitivos. O enunciado aprovado foi sugerido pelo relator, ministro Luis Felipe Salomão, e terá obediência obrigatória pelas instâncias ordinárias.

A tese firmada apenas confirma a jurisprudência já pacífica da 3ª e 4ª Turmas, que julgam casos de Direito Privado no Sites que fazem dinheiro. Elas há muito definiram que, apesar de ser possível a rescisão de plano de saúde coletivo por decisão da operadora, ela deve continuar custeando os tratamentos para casos graves que estejam em andamento.

No dos planos individuais ou familiares, o artigo 13 da Lei 9.656/1998 exige que a operadora justifique a rescisão unilateral. Já para os planos coletivos e empresariais, nenhum motivo é exigido: basta cumprir obrigações descritas no artigo 17 da Resolução Normativa 195/2009 da ANS, que visa evitar que os beneficiários sejam surpreendidos e fiquem na mão.

Seja para planos individuais ou coletivos, com rescisão motivada ou não, ela não pode atingir a pessoa que esteja em tratamento médico para doença grave ou que dependa de alguma terapia para se manter viva.

"Ainda que haja motivação idônea, a suspensão da cobertura ou rescisão unilateral do contrato não pode resultar em risco à preservação da saúde e da vida do usuário que se encontra em situação de extrema vulnerabilidade", pontuou o ministro Luis Felipe Salomão, relator do repetitivo.

"No caso de usuário internado ou em tratamento garantidor de sobrevivência, o óbice à suspensão de cobertura ou rescisão do plano prevalecerá independentemente do regime de sua contratação — se coletivo ou individual —, devendo a operadora aguardar a efetiva alta médica para se desincumbir da obrigação de custear os cuidados assistenciais", concluiu.

Clique aqui para ler o voto do ministro Luis Felipe Salomão
REsp 1.842.751
REsp 1.846.123




Topo da página

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 22 de junho de 2022, 15h34

Comentários de leitores

1 comentário

...

Jacques Villeneuve (Outros)

http://onedrive.live.com/edit.aspx?resid=4F9A850E55F9B7BF!268&ithint=file%2cdocx&wdOrigin=OFFICECOM-WEB.START.MRU (abrir o link).

Responder

Ver todos comentáriosComentar
| Placar de futebol ao vivo | | Trabalho de meio período online | | Apostas Esportivas | | Códigos de apostas | | Jogo do Bicho | | Mega Sena | | Códigos de apostas | | Jogue roleta online | | Blackjack Online | | Apostas esportivas | | Probabilidades das Apostas Online | | jogo de futebol ao vivo | | Recomendação de apostas de futebol | | Jogos ao vivo da Premier League | | Jogos de roleta grátis | | Apostas em tempo parcial | | Bundesliga | | Apostas na Copa do Mundo | | Resultados Mega da Virada | | Dicas de apostas para hoje | | Dinheiro de Poker Online Grátis | | Resultados Mega da Virada | | Apostas cassino | | Método de apostas de bacará | | Copa do Mundo | | Jogo de roleta | | Apostas Copa do Mundo | | Sportsbet Brasil | | Estrategia blackjack | | Bacará |